ausência



"querida ratita linda do papá",
assim começo os postais que todos os dias te envio, hoje lá fui comprar mais dez selos de cinquenta e sete cêntimos. às vezes receio que me aches um chato e um velho papá mas depois também penso que não acharás tal e que te alegrará até recebê-los. ainda que não compreendas, agora, porque o faço, como também não compreendes-te, se calhar então, quando no inverno te ia buscar a casa de manhã para te acompanhar à camioneta que te levava ao colégio, para estar a tempo levantava-me às seis e nem dez minutos estava contigo, menos quando te ia levar e, me parecia, que tu gostavas que o fizesse e às vezes nem estava a chover e outras pediste-mo tu, esta é uma forma de estar sempre contigo, seja como fôr e pelo tempo que seja, minutos ou horas ou dias ou noites inteiras, em presença ou em ausência estamos juntos. hoje deu-me também para pensar na bruxa mimi...não se se te lembras, mas:

“A bruxa Mimi vivia numa casa preta no meio da floresta.
A casa era preta por fora e preta por dentro.
A carpete era preta.
As cadeiras eram pretas.
A cama era preta e tinha lençóis pretos e cobertores pretos.
Até a casa de banho era preta.
A Mimi vivia na sua casa preta com o gato Rogério.
O Rogério também era preto.
E foi por causa disso que os problemas começaram...”


e eu lia-te as histórias quando eras pequenina e o livro até me parece que era maior que tu, comprei-to antes de tempo...a bruxa mimi gostava de feitiços, como todas as bruxas e do que ela gostava mais era mudar a côr do gato rogério que não apreciava nada tal brincadeira quando se via de todas as cores, vem isto a propósito de não ser eu bruxo, não para fazer feitiços, mas para pedir ajuda às colegas (meigas) da galiza, ajuda, que não se nega a iguais, para olharem por ti e te sussurrarem ao ouvido, para só tu saberes que o teu papá gosta muito de ti e que tem muitas saudades tuas

Sem comentários:

Enviar um comentário

bota aí o que queiras